Deputado pernambucano que deu o último voto necessário à continuidade do impeachment agora é investigado por corrupção

Há exatamente um ano, era aberto na Câmara dos Deputados o processo de impeachment contra a agora ex-presidente Dilma Rousseff (PT), consolidado menos de cinco meses depois pelo Senado. O placar final foi de 367 votos favoráveis a 137 contrários, mas o decisivo foi o do pernambucano Bruno Araújo, do PSDB, que foi o 342º parlamentar a votar, número que representa os dois terços necessários para que o caso fosse iniciado. Hoje ministro das Cidades, o tucano é também um dos nomes do primeiro escalão do governo Michel Temer (PMDB) que estão entre os que tiveram investigação autorizada por Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), após a delação de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht.
Fonte/blog do Jamildo